21.1 C
Amambai
quinta-feira, 25 de abril de 2024

Governo anuncia R$ 250 milhões para aeroportos: Amambai será uma das cidades atendidas

- Publicidade -

O transporte aéreo de Mato Grosso do Sul está no radar do Governo do Estado, que tem um plano aeroviário de cerca de R$ 250 milhões para desenvolver a infraestrutura aeroportuária de todas as regiões. Com 20 aeroportos em 19 cidades, o plano estadual objetiva a construção, reforma e ampliação de aeródromos em benefício dos setores produtivo, comercial, turístico, ambiental e até da saúde.

“O governador Eduardo Riedel determinou um projeto para Mato Grosso do Sul para que nós pudéssemos prospectar aeroportos em todo o Estado, atendendo os diversos setores econômicos e criando uma estrutura de acesso rápido às regiões. Estamos com obras em andamento em nove aeroportos, como melhorias, cercamento, iluminação e recomposição do pavimento. Também temos investimentos contratados em três novos projetos: ampliação do Aeroporto de Santa Maria, em Campo Grande, e de melhorias nos aeroportos de Costa Rica e Bonito”, destaca o secretário Hélio Peluffo, da Seilog (Secretaria Estadual de Infraestrutura e Logística).

Além das obras em andamento e dos projetos contratados, a Seilog possui sete projetos para a área da aviação em Água Clara, Campo Grande (Santa Maria), Inocência, Maracaju, São Gabriel do Oeste e Corumbá (um na Nhecolândia e outro no Morro do Azeite). Estudos da Secretaria ainda tratam da viabilidade de novos aeródromos em Amambai, Aquidauana e Mundo Novo.

“Maracaju é uma das regiões que mais produz soja em Mato Grosso do Sul e tem apelo comercial e empresarial muito grande. Inocência vai receber investimento de U$ 3 bilhões da Arauco (indústria de celulose), gerando emprego e melhorando a qualidade de vida. Precisamos estruturar essa região e o Estado está se antecipando aos investimentos que recebe”, completa Peluffo.

Raio-x dos aeroportos

Nove aeroportos do Estado passam por obras de melhorias. Em Bonito, o Estado trabalha na troca da cobertura do terminal de passageiros. Em Camapuã, no cercamento da pista e no projeto para restauração do pavimento existente. Em Cassilândia, no cercamento.

O aeroporto de Dourados conta com dois projetos em andamento: um do Exército Brasileiro, que faz a recomposição da pista e toda infraestrutura do lado ar (lado de pista); e outro do Governo do Estado, que executa o projeto do novo terminal de passageiros. As estruturas de Jardim, Naviraí e Paranaíba recebem cercamento e já possuem projeto de restauração do pavimento. Em Nova Andradina, o Estado executa a rodovia de acesso ao aeródromo. Em Porto Murtinho, o cercamento com guarita e o projeto da sinalização horizontal.

Entre os investimentos em processo de contratação ou licitação, estão o Aeródromo de Costa Rica, onde será construído alambrado; o de Bonito, que passará por reformas nas valas de drenagem; e o de Santa Maria, em Campo Grande, que vai passar por estudos de PCN – Paviment Condiction Number (Número de Condição de Pavimento, em português), para verificar a capacidade de carga que a pista de pousos e decolagens suporta. Isso proporcionará a operação de aeronaves maiores e mais pesadas.

Outros sete projetos estão em andamento para implantação: Água Clara, Santa Maria, Inocência, Maracaju, São Gabriel do Oeste, Nhecolândia e Morro do Azeite.

Em Água Clara, a Seilog formalizou convênio para a Prefeitura Municipal comprar o terreno onde será implantado o aeroporto, que será construído através de parceria com uma indústria de MDF instalada na cidade. Na Capital, o Aeroporto de Santa Maria passará por ampliação.

Na cidade de Inocência, o aeródromo será construído em uma área já comprada pela Prefeitura Municipal. O processo de contratação do projeto para implantação já foi aberto. Em Maracaju, um novo aeroporto será construído em uma área afastada do centro da cidade. Em São Gabriel do Oeste, o Estado vai implantar uma pista de asfalto no aeródromo existente, que hoje é de cascalho.

Pantanal

Um dos objetivos do Estado é estruturar aeroportos no Pantanal da Nhecolândia e na região do Morro do Azeite para desenvolver a logística e a infraestrutura aeroportuária, dando agilidade nas ocorrências de incêndios florestais e também no atendimento de saúde de ribeirinhos e outras pessoas que vivem e trabalham no bioma alagado.

O secretário Hélio Peluffo ressalta a importância estratégica dos aeroportos para a região. “Atende o Air Tractor (avião de combate à incêndio) para que os bombeiros possam pousar e em caso de incêndio rapidamente conter o fogo. Esses aeroportos também atendem a saúde. O Estado precisa socorrer rapidamente o bem estar das famílias que vivem na região em caso de necessidade. Esses aeroportos servirão para todos, não só para área produtiva ou para o lazer”, afirma Peluffo.

Em fase de projetos, os aeródromos da Nhecolândia e do Morro do Azeite serão construídos com pista, pátio e cercamento. “O da Nhecolândia terá estrutura para os bombeiros e para o Air Tractor, que precisa ser abastecido, além disso 0 projeto contempla um reservatório com água, para uso da aeronave e um ponto de apoio para os militares, com alojamento e espaço para mantimentos”, detalha o superintendente Viário e coordenador de Transporte Aéreo da Seilog, Derick Hudson Machado de Souza.

Estudos

Análises para outros investimentos na rede de aeroportos do Estado também estão em andamento. Está no plano aeroviário de Mato Grosso do Sul a estruturação de um aeroporto em Amambai; a reforma no aeródromo de Aquidauana, que precisa de uma pista pavimentada; e a construção de um campo de aviação em Mundo Novo, que já possui um terreno comprado pela Prefeitura Municipal para este fim.

Bruno Chaves, Comunicação Seilog/Agesul
Foto Capa: Arquivo

Leia também

- Publicidade -
- Publicidade -